domingo, 5 de junho de 2011

Relatório


Pesquisa

Louise Bourgeois
                             
Nascimento 25 de Dezembro de 1911
Morte 31 de Maio de 2010  (98 anos) Nova Iorque
Nacionalidade França
Prémios Prémio Wolf de Artes (2002/2003)

Louise Bourgeois foi uma artista plástica conhecida no Brasil por sua escultura Maman, uma enorme aranha que permanece em exposição no MAM-SP. Esta artista sempre foi influenciada pelo surrealismo, daí a Maman a aranha gigante, pelo primitivismo (crença na superioridade do estilo de vida simples das sociedades pré-industriais) e também pelos escultores modernistas como Alberto Giacometti e Constantin Brancusi.
Os seus trabalhos tendem seguir para o abstracto e são altamente simbólicos, podendo ser observados em vários espectáculos, museus e galerias em todo o mundo.


                                       
                                   Maman, por Louise Bourgeois, é uma aranha
                                                                     com 9 metros de altura.
 
Christo e Jeanne-Claude



Christo nasceu na Bulgária a 13 de Junho de 1935, nascido como Christo Vladimirov Javacheff.
Jeanne-Claude nasceu em Nova Iorque a 13 de Junho de 1935, nascida como Jeanne-Claude Denat de Guillebon.
Este casal é conhecido devido ás instalações de arte ambiental (é o tipo de arte em que o terreno natural , em vez de prover o ambiente para uma obra de arte, é ele próprio trabalhado de modo a integrar-se à obra.)




                                                                 
             Joana Vasconcelos


Esta artista nasceu em Pari, em 1971, vive e trabalha em Lisboa. Formou-se no Centro de Arte e Comunicação Visual, em Lisboa, entre 1989 e 1996. As suas obras são todas em grande plano, utilizando e transformando objectos já existentes. Sendo conhecida fora e dentro do país, esta artista já faz exposições desde 1994.

 
 Maria Lai

     


Arte Povera

Arte Povera, significa Arte Pobre, foi um movimento artístico italiano que se desenvolveu na década de 60. Os materiais usados eram de pintura não convencionais, como por exemplo areia, madeira, sacos, jornais, cordas, etc, com o intuito de empobrecer a pintura para as pinturas serem do nosso quotidiano.



Ana Viveira

Nasceu em Coimbra em 1940, cresceu nos Açores, na ilha de São Miguel e vive e trabalha em Lisboa. Conhecemos o seu trabalho desde 1965, através de várias exposições colectivas e individuais.
O seu trabalho está representado em diversas colecções públicas e privadas, entre as quais destacamos as colecções da Fundação de Serralves, do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, da Fundação EDP, da Portugal Telecom e a Colecção Berardo.



Sem comentários:

Publicar um comentário